Empreendedorismo planejado

Empreendedorismo planejado

Antes de iniciar o desenvolvimento desse texto, pensei um pouco a respeito da realidade dos empreendedores em linhas gerais. Muitas vezes as pessoas começam seus negócios por necessidades, outros iniciam por oportunidade.

Para o primeiro grupo, quando se fala em empreender, o planejamento estratégico e o entendimento do mercado ficam em segundo plano, pois é mais importante colocar a “máquina para rodar” e, com isso, gerar recursos financeiros, necessários para sobrevivência ou continuidade de um estilo de vida adotado.

Empreender de qualquer maneira é um ato de coragem, seja na oportunidade ou na necessidade. Quem empreende sabe muito bem do que estou falando. Colocamos nossos sonhos e energias na construção de produtos e serviços que possam ajudar alguém a resolver um problema.

Ao empreendermos queremos que a nossa empresa cresça, seja importante para os nossos clientes e relevante no mercado. Queremos ter o mínimo de sucesso. Digo muito que ninguém abre uma empresa pensando em fechá-la daqui 3, 6, 12 meses, todos os empreendedores querem prosperar.

Mas para alcançar essa prosperidade algumas questões básicas são necessárias, de modo que precisamos tentar entender, principalmente, o que não fazer. Isso talvez é o mais difícil, pois na ansiedade de fazer a empresa iniciar as operações e crescer, inúmeras oportunidades irão bater à sua porta.

Algumas são meras distrações, tirando o empreendedor do pensamento inicial a respeito do negócio. Outras realmente são oportunidades, que nos colocarão em um caminho de sucesso e prosperidade. De maneira muito simples, o pensamento estratégico é um ato de realizar escolhas: o que fazer e o que não fazer; um trade off.

Como podemos prosperar de maneira pragmática hoje em dia?

  • Desenvolver um plano estratégico, conheça nossa solução [Planning]

Indico no mínimo ter um plano estratégico, que seja o mais simples possível, como fazem as startups hoje em dia, e adotado em determinados momentos por grandes empresas.

O conceito que está por trás é: pense profundamente, execute rápido, erre rápido e corrija rápido. O pense profundamente é por minha conta, pois não acredito que para montar uma empresa basta ter apenas iniciativa. Precisamos ter um momento de reflexão a respeito do que queremos empreender. Assim, é importante coletarmos algumas informações mínimas para sabermos inclusive o que executar e onde executar.

  • Definir o público alvo

Voltando ao início, se empreender é construir produtos e serviços que resolvam problemas reais das pessoas e das empresas, no mínimo, temos que entender para quem vamos vender. Precisamos compreender que dores/problemas relevantes essas pessoas possuem e não estão conseguindo resolver e o que é importante para elas. Entre várias outras questões exploratórias que devemos fazer por meio de ferramentas de pesquisa de mercado, seja observando pessoas, conversando ou realizando uma pesquisa de mercado estruturada. Aqui existem diversas metodologias que são adequadas para cada momento e estágio do empreendimento.

Importante: quando escrevo pessoas, estou me referindo a pessoas ou empresas que queremos atender. Utilizei apenas o primeiro nome pois os negócios são formados por indivíduos, os quais são esses que têm problemas.

Assim, você precisa ter muito claro e detalhado quem você vai atender e o perfil desse mercado. A pesquisa de mercado pode te ajudar a desenhar claramente o perfil ideal do seu cliente potencial. Até rimou!

  • Definir proposta de valor

Após isso é que você vai se dedicar ao seu produto e serviço, à sua proposta de valor a ser oferecida a esse mercado identificado. Ao entender as dores do mercado que você descobriu, é hora de pensar e estruturar os benefícios que os clientes terão ao comprar os seus produtos e serviços.

Pense você como cliente: nós, enquanto clientes, não compramos produtos, compramos soluções para os nossos problemas. Se compro comida é porque estou com fome. Se compro comida saudável é porque quero ter uma vida saudável, muitas vezes posso até não gostar exageradamente daquela comida, mas, para mim, a prioridade é saúde.

As características dos produtos e serviço são importantes para explicar como ele funciona. E só. Mas no fim, o que conta realmente é o cliente entender que terá o seu problema resolvido.

  • Estudo dos concorrentes

Bem, na minha opinião, eles devem servir apenas como balizadores da sua proposta de valor. Para mim, o importante é focar no seu cliente e nas suas dores. Se miro apenas em fazer melhor que um concorrente, posso perder oportunidades de me diferenciar no mercado.

E aqui vai uma questão de nossos clientes, muito importante, que precisamos responder: “Por que eu compraria de você? Qual o seu diferencial frente a todos os produtos e serviços que já estão no mercado?”.

  • Entender seu diferencial

Essa realmente é uma questão vital para o sucesso ou fracasso de um empreendimento e que precisa ser respondida de maneira muito objetiva e clara. Nesse ponto você pode estar perguntando: “Onde crio esse diferencial?”.

Muitos pensam que o diferencial está no produto ou serviço apenas, mas te digo que não, pois esses podem ser facilmente e rapidamente copiados. Diante disso, você tem que pensar no seu modelo de negócios.

Como desenvolver um modelo de negócios?

Hoje temos uma ferramenta criada para startups, que te ajuda de uma maneira muito fácil a entender melhor o seu modelo de negócio. Essa metodologia foi criada na tese de doutorado de um sueco chamado Alexander Osterwalder. O canvas de modelo de negócios, como é conhecimento no mercado, é composto por nove blocos:

  • Que segmento você vai atacar (primeiro ponto que abordamos);
  • Qual a proposta de valor que você vai oferecer a esse segmento (estamos abordando nesse momento);
  • Quais serão os seus canais de vendas e comunicação, que levarão os seus produtos e serviços para o segmento escolhido;
  • Como será o relacionamento com o seu cliente;
  • Como você terá receita (gerará dinheiro).

Até esse ponto, estamos falando de como você irá distribuir e capturar valor do mercado. Para completar o seu modelo de negócios, você precisará pensar ainda:

  • Quais são os recursos chaves que você precisa ter para produzir a sua proposta de valor;
  • Quais as atividades chaves que você precisa fazer para produzir a sua proposta de valor;
  • Quais são os parceiros estratégicos que te ajudarão a ter e fazer o que for necessário para produzir a proposta de valor;
  • Quais são os custos mais relevantes.

Aqui é onde você, então, produzirá a sua proposta de valor.

Entendendo o seu modelo de negócios, você consegue criar diferenciais em qualquer bloco acima citado. É importante entender que você precisa ter um modelo de negócio diferenciado.

Vale ressaltar também que os diferenciais criados não serão permanentes. Por que digo isso? Pense comigo: o mercado muda, os problemas dos seus clientes se alteram, tecnologias são lançadas, concorrentes se transformam e assim por diante. Temos que ter o nosso coração e mente abertos para se adaptar sempre, e de maneira rápida. Diante disso, criar um diferencial deve ser trabalhado diariamente.

Achou que empreender é fácil?

 Mas é demais! Acredito que tendo no mínimo isso, você conseguirá colocar o seu produto ou serviço no mercado de maneira ágil, errar rápido e corrigir rápido para ter sucesso.

Sempre tenha em mente que você precisa responder rapidamente 3 questões, diria em 30 segundos, é o que chamados de elevator speach ou discurso de elevador. Pense que você está em um elevador, encontra um cliente potencial e tem apenas 30 segundos para explicar para ele o que faz e por que ele deveria comprar de você. As 3 questões são: “você vende para quem? O que você oferece? Qual seu diferencial?”.

Empreender realmente não é uma tarefa fácil, mas para quem gosta de desafios é algo recompensador. Empreendedores sabem que precisam dedicar reflexão, tempo e esforços para construir algo relevante. Para mim, em particular, é algo extraordinário se fizermos pensando profundamente nos outros. Pensem comigo:

  • Criamos algo para ajudar as pessoas a resolverem os seus problemas;
  • Damos oportunidades para pessoas trabalharem e se desenvolverem, seja profissionalmente ou pessoalmente;
  • Oferecemos oportunidades para as pessoas construírem os seus sonhos, tanto clientes, quanto os indivíduos que trabalham com você na empresa, direta ou indiretamente.

Veja o quanto de vidas afetamos. Por esses poucos, mas grandiosos motivos empreender é algo sério e precisa ser feito com muita responsabilidade, porque, por menor que seja o negócio, envolverá a vida de várias pessoas.

Em resumo, empreender é gerar prosperidade para todos que de alguma forma têm contato com a sua marca, seus produtos e serviços. Depende de você saber o que deixar marcado na vida das pessoas.

Quer saber mais sobre planejamento estratégico?

Deixe seus dados e entraremos em contato com você.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *